Bilhetes-de-avião-explode-1140-x-500

O preço dos bilhetes de avião explode

Perto do fim do low-cost?

Entre o aumento dos preços dos combustíveis e o contexto geopolítico incerto, mas também de saúde, o preço dos bilhetes de avião continua a aumentar. Isso significa que estamos caminhando para o fim do baixo custo?

Há algumas semanas, a Brussels Airlines ofereceu uma oferta atraente para os viajantes. Com a compra de uma passagem para Nova York, a segunda foi oferecida. Resultado: a ida e volta à “Big Apple” custou pouco mais de 400€ para duas pessoas. Mas esses acordos podem em breve ser história.

O preço do querosene

Não escapou a ninguém, o preço do combustível subiu muito nos últimos meses. O salto nos preços do petróleo, portanto, também tem impacto nas companhias aéreas e nos preços dos bilhetes. Neste contexto, a Ryanair parece ter-se saído bem. A companhia aérea de baixo custo irlandesa adquiriu antecipadamente 80% do seu combustível ao preço de cerca de 65 dólares o barril – contra mais de 100 atualmente. Mas outras empresas, menos protegidas, podem, por outro lado, ter que aumentar ainda mais seus preços.

Novas incertezas

Assim como seus concorrentes “históricos”, as companhias aéreas de baixo custo sofreram muito com a crise de saúde ligada ao Covid-19 e não recuperaram a lucratividade em 2021. Enquanto o setor esperava voltar aos trilhos em 2022, a guerra na Ucrânia interrompeu seus planos. Além disso, como vemos com a atual recuperação na China, a crise da saúde ainda não acabou. Entre temores de um conflito global, inflação e incertezas ligadas à situação da saúde, muitos viajantes vão preferir férias na Europa neste verão. Resultado: atualmente há muita demanda por esses voos e os preços estão subindo.

Novo imposto

Finalmente, desde 1º de abril, entrou em vigor na Bélgica um novo imposto sobre o embarque de um avião. O imposto é de 10 euros para um passageiro cujo destino não seja superior a 500 km em linha reta do aeroporto de passageiros mais movimentado do país. São 2 euros para um passageiro cujo destino seja mais distante, mas esteja localizado no Espaço Econômico Europeu, no Reino Unido ou na Suíça. O imposto é de 4 euros para outros destinos. As companhias aéreas têm a oportunidade de se adaptar até o final de maio.

Viajantes “estarão dispostos a pagar um pouco mais”

Uma coisa é certa: neste contexto geopolítico e sanitário incerto, o preço das passagens aéreas continuará subindo. Isso significa o fim dos voos de baixo custo? Não. No entanto, no futuro, deve ser cada vez mais difícil encontrar passagens de ida e volta abaixo de € 40.

Didier Bréchemier, especialista no setor aéreo da Roland Berger, considera que “é muito provável que os passageiros europeus viajem para mais perto e prefiram a Europa”, apesar do previsível aumento das tarifas.

Compartilhe esta notícia

Receba conteúdos como este diretamente no seu email!

Receba conteúdos como este diretamente no seu email!